sábado, 4 de fevereiro de 2012

Placa de Identificação (dog tag) . F.E.B .

- Dogtag (placa de identificação) da Força Expedicionária Brasileira do praça (PRA) Sebastião Stepha identidade de guerra (1G): 289704, sangue O, lotado na Companhia do Quartel General, embarcou para Itália em 22 / 9 / 1944  e retornou em 22 / 8 / 1945.
Rara placa de identificação de um oficial (OF) da FEB de nome José B Villela de identidade de guerra (1G) 220544  fez parte do 1º escalão tipo sanguíneo 0.O número é a designação da Região Militar onde o militar era inscrito. Por exemplo, 1G era da 1 RM, do Rio de Janeiro.Placas de cobre feitas no Brasil ,EUB.(Estados Unidos do Brasil).
(acervo O Resgate FEB)


(clique na foto para ampliar)



Curiosidade sobre o dogtag-F.E.B
                                                                          
Todos os expedicionários levavam numa corrente dependurada no pescoço duas placas de identidade feita de metal com os dizeres em relevo. Nela constavam o nome , numero de identificação, tipo sanguíneo, ano de vacinação anti-tetânica e as iniciais OF (oficiais) e PRA (praças) e acima do nome a palavra Brasil.A seção do Quartel General encarregado de fornecer as placas, lutou penosamente para que ninguém fosse desfalcado desse importante prova de identidade. A ordem de usar as placas no pescoço era terminante. Apesar de toda severidade e fiscalização verificou que muitos soldados no teatro de operações não tinham ou deixaram no saco entre sua bagagem.O resultado dessa falta de compreensão de muitos soldados que a insistência e zelo dos comandantes, foi que tivemos dezoito mortos desconhecidos alem de inúmeras outros custo de identifica los pelo Pelotão de Sepultamento.Uma aplicação interessante da placa de identificação(justamente por isso tinha os dizeres em relevo) era de servir de matriz para impressão do ferido ou doente na ficha de evacuação para os hospitais. Outra aplicação da placa era de identificar os mortos  ao serem recolhidos pelo Pelotão de Sepultamento e depois ao serem enterrados, uma das placas era presa a cruz do túmulo e a outra acompanhava o corpo.                                                    
As placas de cobre  produziam azinhavre e com pouco tempo apareciam manchas verdes no peito.Posteriormente o 2º escalão e os que seguiram receberam placas de melhor qualidade e uma correntinha de aço inoxidável.Mal chegados a Itália a engenhosidade de nossos  soldados descobriram uma utilidade nova para a capa dos fios de telefones alemães, bem melhores do que usavam e recebidas dos americanos. Era uma capa de plástico alaranjada, forte, firme de durabilidade extraordinária. Arrancada o fio e cortada a capa de um lado era enfiada nas bordas das placas as quais aderia firme.Essa invenção dos soldados impedia que as placas encostassem diretamente na pele e desapareceram as manchas verdes de azinhavre do peito.
 Pesquisa:¨A Epopêia dos Apeninos¨   José de Oliveira Ramos.
                       ¨Crônicas de Guerra¨ 1º Tenente Cássio Abranches Viotti. (BH- MG)

21 comentários:

  1. oii Henrique

    seguindo seu blog =)

    ResponderExcluir
  2. Excelente. Apenas acho que IG não é significa identidade de guerra, mas a região militar onde o soldado foi recrutado.

    ResponderExcluir
  3. Olá Henrique, na verdade a identificação náo é IG, e sim 1G.
    O do meu avô esta marcando 2G. Alguém sabe o real significado de 1G e 2G?
    Obrigado
    Adriano

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. quero ser macona

      Excluir
    2. 1° Grupamento 2° Grupamento

      Excluir
  4. Obrigado pela visita Francisco e Paulo, agradeço a correção.Vou pesquisar e respondo o mais breve possível. Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Oi, pronto tirada a duvida com um amigo colecionador e estudioso da FEB.
    O número é a designação da Região Militar onde o militar era inscrito. Por exemplo, 1G era da 1 RM, aqui no Rio. Acho que tem até a 11 RM.O Francisco Aragão acertou.Mais uma vez obrigado pela força e incentivo de continuar divulgando.
    Henrique Moura

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde! Alguém saberia me informar o porque das DOGTAGS ter uma das bordas "cortada"? ( aquela quebrada do lado oposto ao do orifício da corrente)
    Agradeço desde já!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aquele entalhe na Dog Tag na verdade servia para a mesma ser fixada em uma máquina chamada Addressograph Model 70 que os médicos usavam para fazer um cópia do que estava escrito na Dog Tag, facilitando assim transferir as informações dos pacientes para os prontuários.

      Excluir
  7. A borda cortada significa que é a segunda guerra em que o militar participou.

    ResponderExcluir
  8. Oi
    Obrigado pela visita.
    Sim e um sinal tipico da Segunda Guerra.
    Abraço e volte sempre
    Henrique

    ResponderExcluir
  9. 1G significa 1º Gabinete de Identificação. Cada Região Militar (RM) possuía seu próprio Gabinete. A borda recortada era para inserir adequadamente a plaqueta na Addressograph (invertida não se encaixava na máquina)..

    ResponderExcluir
  10. Sabe me informar o preco em media de uma placa desss original?

    ResponderExcluir
  11. Quero muito comprar uma dog tag da segunda guerra... sou colecionador... já possuo um ( do meu avô ) mas não Ainda as duas... formando o "kit"... e está muito difícil de achar...

    ResponderExcluir
  12. Boa tarde!

    Qual o significado dessas abreviações..T44?

    ResponderExcluir
  13. O T44 ou T45 significam o ano de recebimento da antitetânica

    ResponderExcluir
  14. Gostaria de saber pq o fator Rh não aparece no tipo sanguíneo. Exemplo: O+ (o "+" não aparece impresso na dog tag)

    ResponderExcluir
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  16. e eu andando com uma medalha dessa ,a chave da moto.tirei imediatamente depois de ver os comentarios

    ResponderExcluir